Capítulo 2

  

  Alguém novo iria vir morar com ela, sua mãe lhe dissera que era a filha de um antigo amigo, só sabia que o nome dela era Charlotte e que tinha 8 anos. Não sabia de mais nada, sua personalidade ou tamanho. Será que era uma boa garota? Ou era aquelas garotas enjoativas que só pensavam em maquiagens e bonecas? Poderia ser também aquelas garotas que curtiam uma boa aventura, assim como Priscilla.
  Priscilla Chandler tinha 10 anos morava na pequena cidade de Pallet Town desde que nascera, na gloriosa região de Kanto. Era uma garota que adorava o ar livre e por isso, suas roupas viviam sujas ou sempre aparecia com um arranhão novo em casa. Além de aventureira, a garota era alegre e sincera, não era de arrumar brigas, mas estava sempre disposta a proteger um amigo. Tinha longos cabelos louros que brilhavam com a luz do sol, pele branca e olhos levemente esverdeados. Geralmente usava roupas práticas e flexíveis, como shorts e regatas, raramente era vista de saias, ela dizia que isso atrapalhava seus movimentos. 

  Estava na Route 1, rota localizada ao norte de Pallet, procurando alguns Pokémon junto de uma pequena criatura peluda e roxa, com enormes olhos vermelhos e pequenas patas e mãos e antenas no topo da cabeça conhecida como Venonat, a criatura era de sua mãe, mas vivia acompanhando Priscilla para todos os lados para evitar que se perdesse ou arrumasse encrenca. Enquanto vagava em seus pensamentos sobre a nova moradora, a menina subiu em uma das árvores da rota e sentou-se em um galho alto, a bolinha roxa aconchegou-se no chão encostando no tronco.



  - Sabe Venonat... – começou a loira. – Estou um pouco ansiosa pela chegada da Charlotte. Minha mãe falou que ela é de uma família rica, deve ser uma daquelas patricinhas filinhas de papai, mas posso estar errada também. Será uma caixinha de surpresa. – ela sorriu, e olhou para o Pokémon, esperando alguma resposta dele, este, apenas olhou para a garota com uma expressão curiosa.
  De repente, um vento forte sacudiu as copas das árvores e levantou algumas folhas, assustando Priscilla e Venonat, não parecia tratar de uma tempestade próxima, o céu estava claro e limpo, e o sol brilhava radiante no alto, era perto das 10 da manhã. Quando desceu da árvore para checar o motivo do movimento anormal, se deparou com uma enorme máquina preta voando pelos céus, se aproximando aos poucos da cidade de Pallet. 
  - Um helicóptero? É ELA?! – Priscilla exclamou, e animada, correu de volta para sua cidade natal, seguida de Venonat, que tinha dificuldades em acompanhar o ritmo da garota.
  
  O helicóptero desceu com certa maestria e força no solo de Pallet, a ponto de assustar alguns Pokémon e atrair os moradores curiosos para suas janelas só para espiarem o acontecimento. Apenas uma única pessoa saiu de uma das casas, era uma mulher, mãe de Priscilla, de cabelos louros e médios, usando um vestido rosa claro com avental, ela parecia saber quem estava naquele meio de transporte. Quando as hélices pararam de girar, uma das portas se abriram, Christoph desceu e auxiliou a filha, Charlotte, a descer também, Priscilla chegou nesse momento, e de longe, viu as duas figuras e se impressionou com a classe do homem e com suas roupas luxuosas, viu também a morena ao sou lado, que olhava para todos os cantos, tímida e extremamente curiosa com o novo cenário. Ela não parecia ser tão chata olhando de mais perto...
  - Bem-vindos. – disse a loira que havia saído da casa. 
  - Obrigado, Alice. – cumprimentou Christoph apertando as mãos da mulher. -  Há quanto tempo, não?
  - Sim, estava com saudades. – sorriu Alice, e logo depois, olhou para Charlotte, ao lado do pai. – E você deve ser a Charlotte, você cresceu muito. 
  - O-obrigada, senhora. – sussurrou a menina, extremamente tímida, se aproximando das pernas do pai.
  - Não precisa ficar tímida, eu não mordo. – riu a mulher, a menina se sentiu confortável e riu de volta.
  - Desculpe vir sem um aviso formal, mas as coisas pioraram por lá. – disse Christoph, um pouco envergonhado.
  - Ele está de volta? Digo, G- ... – a mulher foi interrompida:
  - É, ele mesmo. – a voz do homem parecia meio desesperada, ele chegou a olhar para Charlotte torcendo para que ela não tivesse ouvido e para seu alívio, a menina estava distraída com um Pidgey.
  - Ah, sinto muito. – desculpou-se Alice.
  - A- Apenas evite falar perto de Charlotte. - respondeu o homem, arrumando o terno, como se estivesse incomodado com algo.
  - Pode deixar, nada sairá da minha boca sobre o assunto.
  - Fico feliz em ouvir isso. - sorriu Christoph. - Onde está Priscilla? Faz um bom tempo que  não a vejo.
  - Deve estar perdida por aí. - riu Alice. - Ela tem um espírito aventureiro. 
  - Eu estou aqui. - respondeu Priscilla, se aproximando finalmente dos outros, seguida de Venonat. - E-eu viu o helicóptero chegando, é enorme!
  - Filha, acho que você se lembra um pouco de Christoph. - disse a mãe da garota. - E aquela é a Charlotte.
  A loira encarou a menina a sua frente, que parece gelar ao receber o olhar, e analisou ela da cabeça aos pés. Parecia uma boneca de porcelana, que poderia quebrar a qualquer minuto, mas ela não aparentava ser exibida, apenas... Tímida.
 - Você é diferente do que imaginei. - comentou ela por fim. - Mas de um jeito bom. Achei que você seria mais... Nariz empinado.
 - Priscilla! - repreendeu Alice. - D-Desculpe Charlotte, ela é muito impulsiva.
 - Tudo bem... - respondeu Charlotte, baixinho. 
 - Terminamos de descarregar as malas, senhor. – disse um dos seguranças a Christoph.
 - Ótimo. Pode voltar para o helicóptero. – disse, e depois se virou para Alice. - Por favor, cuide dela.
 - Pode deixar comigo.
 - P-papai. – Charlotte abraçou o homem, meio medrosa e com cara de choro. – Por favor, volta logo...
 Christoph ajoelhou-se na altura da filha e a abraçou.
 - Eu prometo. Se cuide e obedeça Alice. – respondeu o homem. - Eu te amo, pequena.
 - E-eu também, papai. 
 Christoph se levantou e num sinal se despediu de todos presentes, logo, entrou no helicóptero, onde aos poucos a máquina levantou vôo. Charlotte ficou olhando para a cena torcendo para que tudo fosse uma mentira e ela acordasse do pesadelo, não tinha nada contra Priscilla e Alice, mas não queria ficar longe de casa. Quando o meio de transporte voador sumiu completamente no céu, a garota sentiu alguém tocar seu ombro, ao olhar, se deparou com Alice. 
  - Não se preocupe. Está segura aqui. – consolou a mulher. – Não é igual a sua casa, mas eu prometo fazer melhor para que se sinta confortável.
  - Obrigada, senhora. – sorriu a morena.  Priscilla ainda observava a nova moradora. Realmente era um pouco diferente do que imaginava, ainda lhe aparentava muita delicadeza, mas ela não parecia alguém que se exibia pelo seu status ou dinheiro. É, era uma pessoa muito interessante.
  - Vamos entrar, estou preparando algo para comer. – disse Alice. – Priscilla, pode levar a Charlotte para conhecer o quarto?
  - Claro, mamãe. – a loira pegou a mão da recém-chegada. – Vem, você vai gostar. Tem um monte de pelúcias e um Game Cube. Ficaremos horas jogando Pokémon Colosseum!
  - A-ah... P-parece legal. – respondeu Charlotte, meio assustada com a empolgação da outra. 
  Priscilla puxou a morena para dentro de sua casa, Alice riu e repetiu a ação das garotas, retornando o Venonat para sua Pokéball. As duas subiram as escadas e entraram em uma das portas. A mais nova se impressionou com o novo lugar, não tinha os tons de rosa e nem as janelas altas como seu quarto, mas o estabelecimento era reconfortante igual. As paredes estavam pintadas de branco com vários pôsteres de Pokémon espalhados. Havia um guarda roupa enorme e próximo a ele, duas camas próximas, uma estava bagunçada, enquanto a outra estava perfeitamente arrumada. 
  - E-eu não tenho costume de arrumar a cama. – explicou-se Priscilla, rindo. – Eu vou usar ela de noite mesmo, não faz sentido arrumar.
  
Além disso, havia uma mesa no canto onde uma TV e um vídeo-game de cor roxa semelhante a um cubo repousavam.
  
  - E aqui, está o famoso Game Cube. – apresentou a dona do quarto, colocando a mão sobre o objeto. – Você tem costume de jogar vídeo games? 
  - Não... – respondeu a morena, o que deixou a mais velha de queixo caído:
  - Não sabe o que ta perdendo. Mas não se preocupe, agora você vai jogar até enjoar.
  Charlotte sorriu um pouco e continuou a observar o lugar, realmente, havia várias pelúcias de Pokémon que ela não conhecia de perto, uma tartaruga azul, um lagarto laranja, um sapo verde, entre tantos outros que estavam expostos em prateleiras no alto do quarto. A loira percebeu o interesse da colega e questionou:
  - Gostou dos iniciais de Kanto? 
  - Não os conheço muito bem... Não se parecem tanto com os de Sinnoh.
  - Aquele é o Bulbasaur. – começou a outra, apontando para o sapo verde. – Ele é do tipo grama, ele é meio lerdo, mas tem uma força enorme. – depois, apontou para a tartaruga. – Aquele é o Squirtle, do tipo água. A casca dele é muito dura e ele consegue se proteger quando entra nela. – e por último, ela apontou para o lagarto laranja. – E o melhor de todos, o Charmander, de fogo, é o mais rápido e mais forte de todos, e evolui para o Charizard enorme que cospe chamas muito ardentes. Quando eu crescer, vou iniciar minha jornada com um Charmander e vou vencer a Liga Pokémon! – anunciou ela, super animada. – E você, qual é o seu sonho?
  - M-meu sonho...? – Charlotte ficou reflexiva para um tempo, tentou olhar para o ambiente a sua volta como se procurasse uma resposta. – A-ah, eu acho que não tenho um sonho.
  Priscilla encarou a menina a sua frente, meio confusa e surpresa.
  - Não tem um sonho? Bom, você é nova, tem tempo para encontrar um sonho. – respondeu ela, sorrindo.
  - Priscilla! Charlotte! O lanche está pronto! - a voz de Alice ecoou escada acima, chegando até o quarto das garotas. 
  - Estamos indo! – respondeu Priscilla, exclamando de volta. – Vem, minha mãe deve ter feito o melhor sanduíche do mundo.
  Charlotte concordou e as duas desceram as escadas e foram até a cozinha, lá, Alice estava preparando a mesa, as garotas se sentaram e logo depois, a mãe de Priscilla sentou-se a mesa junto a elas. Priscilla esticou-se sobre a mesa e pegou uma torrada.
  - Porque não mostra a vizinhança para Charlotte? – sugeriu Alice, servindo um copo de leite para Charlotte. 
  - Interessante. Vou fazer isso. – sorriu a menina.
  Durante o lanche, a nova moradora manteve-se calada por boa parte do tempo, apenas respondendo as perguntas que a loira ou sua mãe faziam. Mas o clima estava bom, era um ambiente alegre, mãe e filha conversavam e riam, o que fazia Charlotte se sentir um pouco confortável.
  Após terminarem, as duas garotas se direcionaram até a porta.
   - Voltem antes do almoço. – disse Alice, lavando a louça.
  - Pode deixar... – respondeu a loira, saindo com a recém chegada.                    


    As duas estavam caminhando pela cidade de Pallet, Priscilla contava tudo que podia para a nova moradora, desde suas aventuras até sobre os moradores. A cidade não era das maiores, mas tinha seu charme, as casinhas possuíam pequenos jardins na sua frente, e vasos de flores pendurados nas janelas. Diferente de Sinnoh, quase não se via nuvens no céu e o sol brilhava bem mais forte.

  - Então, gostou da cidade? - questionou Priscilla. - No norte, temos a Route 1. E logo depois a Viridian City, que é onde eu estudo.
  - É uma cidade muito bonita, bem diferente de Hearthrome, mas tão aconchegante quanto. - comentou Charlotte. - Até o sol parece diferente, lá, ele vive coberto de nuvens ou não é tão quente como aqui.

  - Tenho certeza que vai se acostumar com Kanto. - concluiu a loira. - Agora quero te apresentar para algumas pessoas. Vem! - a menina saiu correndo, sendo seguida pela mais nova, que tentava seguir seu ritmo.
  Chegaram em uma casa que era semelhante as outras, Priscilla tocou a campainha, aguardando ser atendida, quem abriu foi uma jovem de 16 anos com longos cabelos castanhos bem penteados, olhos verdes e pele branca. Ela usava um vestido verde com um casaco branco por cima, nos pés usava uma sapatilha da mesma cor do vestido. 
  - Daisy! - exclamou a loira, ao ver a jovem.
  - Ah, olá Priscilla. - sorriu Daisy, cumprimentando-a, logo depois, retornou seu olhar a Charlotte. - E você, quem é?
  - Ela é a Charlotte. - informou a loira. - Ela vai passar uma temporada em casa, to mostrando a cidade para ela. 
  - Pallet Town não tem os melhores pontos turísticos, mas eu não troco essa cidade por nada.  - riu a mais velha. - Ah, entrem. - ela conduziu as garotas para dentro da casa, e em seguida, convidando-as para se sentar no sofá da pequena sala. - O que vão querer? Biscoitos, leite, café?
  - Ah,  vamos passar dessa vez, mas agradeço. - disse Charlotte, dando um leve sorriso. 
  - Que rude da minha parte, não me apresentei direito a você. - disse a de vestido verde para a mais nova. - Meu nome é Daisy Oak. Sou neta do renomado Professor Samuel Oak.
  - E também a melhor treinadora da região. - completou Priscilla.
  - Gentil da sua parte. - riu Daisy, meio envergonhada. - Mas eu sou uma novata ainda. Vai demorar um tempo até eu chegar na Liga Pokémon. Enquanto isso, eu cuido da casa e do Gary. 
  - E por falar em Gary, onde ele está? - questionou a loira, olhando em volta, procurando por alguém.
  - Deve estar com Red e o meu avô. Ele disse que iria dar umas "aulinhas" para os dois antes de escolherem os iniciais. - respondeu a adolescente, tomando um gole do seu café e sentando-se numa poltrona, em frente ao sofá em que as duas amigas estavam sentadas. 
  - Ah, quanta inveja. Minha mãe só disse que vou poder ter um inicial quando completar o Ensino Médio. - suspirou Priscilla. - Mas vai demorar muito, estou na 5ª série ainda.
  -Coisas de mãe... Mas um dia você chega lá. Vocês vieram a procura de Gary? Bem, ele está fora, como eu disse, mas deve voltar em breve. 
  - Nós vamos esperar por ele. Podemos ver seus Pokémon, enquanto isso? - questionou a loira. - Fiquei sabendo que ganhou sua 3ª insígnia recentemente, faz tempo que não vejo eles. 
  - Ah, claro. - a jovem morena tirou do bolso do casaco 3 objetos esféricos vermelhos e brancos com uma faixa preta no centro conhecidos como Pokéballs. - Lt. Surge me deu certa dor de cabeça com seu Raichu. Mas foi só um pouco de estratégia que eu consegui virar o jogo. - ela pressionou o botão central de todos os objetos e liberou três criaturas.

 A primeira, era uma espécie de sapo, andava sobre suas quatro patas curtas e gordas, possuía manchas por todo seu corpo, orelhas curtas e pontudas, a expressão do seu rosto era séria composta por olhos grandes e vermelhos, uma boca larga que exibia duas presas. Nas costas, um broto de flor cor de rosa florescia, revestida com longas folhas verdes. Era conhecido como Ivysaur. O segundo era uma espécie de rato amarelo, com longas orelhas pontudas de cor preta na ponta, sua expressão era mais amigável, com pequenos olhos pretos,um nariz pequeno e pontudo e um sorriso curto, as bochechas eram vermelhas e faiscavam de vez em quando. Seu corpo era todo amarelho com apenas listras marrons nas costas, ele andava tanto apoiado sobre as quatro patas ou sobre as duas traseiras. A cauda era em formato de raio e também tinha detalhes em marrom. Seu nome era Pikachu. E por último, havia uma espécie de tatu bípede de cor amarela, ele era um pouco mais alto que os outros dois, seu focinhho era pontudo e seus olhos eram grandes e expressivos, a sua barriga tera branca e sua patas possuíam longas garras afiadas. As costas eram cobertas por espécies de espinhos grossos e marrons e no final, uma longa cauda amarela completava o corpo. 



  Os olhos de Priscilla brilharam ao ver os Pokémon, ela se aproximou deles e acariciou a cabeça de cada um. 
  - Incrível. O seu Bulbasaur e Sandshrew evoluíram. - comentou a garota. - Ei, Charlotte, já conhecia esses?
  Charlotte se aproximou e observou cada um das criaturas.
  - Eu conheço o Pikachu. Os outros dois só vi por livros. - respondeu ela. - Mas são todos tão fofos. - comentou, acariciando a cabeça do Sandslash. 
  De repente, a porta da casa abriu, e dois garotos entraram, eles estavam levemente cansados. Um era a cara de Daisy, cabelos castanhos espetados e pele clara, com exceção dos olhos, que eram castanhos. Usava uma blusa solta roxa e uma calça preta e nos pés, uma bota de cano curto. Ao seu lado, estava um garoto de pele tão clara quanto a de seu colega, os olhos deles eram castanhos, mas dependendo da claridade do local, se assemelhavam a rubro, os cabelos negros eram escondidos por um boné branco e vermelho. Ele usava uma camiseta preta e calça jeans, nos pés, usava um tênis vermelho. 
  - Irmã, chegamos! - anunciou o de cabelos espetados. - Red pode almoçar aqui? 
  Os garotos adentraram na sala e se depararam com as convidadas e Daisy. O garoto de blusa roxa disse:
  - Hey, Priscilla. 
  - E aí, Gary? - sorriu Priscilla, levantando-se e se aproximando dos colegas. - Olá, Red.
  O de boné deu um leve aceno, em seguida, Charlotte se aproximou da loira, esperando ser apresentada aos garotos. 
  - Ah, Charlotte, esses são Gary Oak, irmão da Daisy. - informou a menina apontando para o de cabelos espetados. - E esse é Red. - ela apontou para de boné. - Red, Gary, essa é Charlotte, ela vai passar uma temporada em casa. 
  - É um prazer. - disse Red. 
  - O prazer é todo meu. - respondeu a de vestido, sorrindo.
  Gary encarou Charlotte por alguns minutos, era como se um imã o atraísse. Ele sentiu suas bochechas arderem, até que a garota percebeu o olhar e se encolheu, meio tímida e incomodada. 
  - Vai assustar ela, Gary. - cutucou o garoto de boné. 
  - Cara, ela é tão bonita. - sussurrou Gary para o amigo, que revirou os olhos. Charlotte e Priscilla se encararam, confusas, até que a loira resolveu perguntar:
  - E como foi lá com o Professor Oak? Daisy me contou que ele deu algumas aulas hoje.  - Foi muito bom. Mas ele ensinou o básico né? Baixe o HP e lance a Pokéball. - respondeu Red - Você deveria ter ido.
   - Eu até queria, mas você sabe como é... - começou a garota. - "Nada de brincar de Pokémon Master até acabar o Ensino Médio" - ela gesticulou, tentando imitar a voz da mãe. 
  - É realmente uma pena. - lamentou o garoto de boné. - Essa semana iremos pegar nossos iniciais. 
  - E já decidiram qual irão escolher? - questionou a loira.
  - Squirtle, com certeza. - respondeu, imediatamente, Gary, se gabando.
  - Charmander. - respondeu Red.
  - Ele só vai escolher o Charmander porque você gosta desse Pokémon, Priscilla. - alegou o de cabelos espetados, alfinetando o amigo com o olhar, e este, com a face ruborizada, respondeu com uma cotovelada. 
  - Charmander é o melhor inicial. Fez um boa escolha, Red. - sorriu Priscilla, e o garoto de cabelos escuros retribuiu com um sorriso leve e corado. 
  Charlotte sorriu ao ver a cena, definitivamente, a nova casa era mais agitada e confortante igual. No final, o novo não era tão assustador assim. 
  Após algum tempo de conversa, Charlotte e Priscilla voltaram para casa, a loira contou alguma de suas aventuras com Red e Gary, a amizade dos três eram extremamente forte, e isso fez a morena se recordar de Johnny. Ainda estava triste por não conseguir se despedir formalmente do garoto. “Espero que ele me perdoe”, pensou.
  Alice esperava as meninas com o almoço servido a mesa, as três se sentaram, Priscilla foi a primeira a se servir, Charlotte, ainda tímida, teve um pouco de dificuldade para escolher as opções, algumas eram diferentes de Sinnoh, mas ela fez questão de experimentar alguns diferentes.
  - Isso é carne de Tauros. – informou Alice, colocando uma fatia do alimento no prato da garota, que cortou e colocou um pedaço na boca.
  - Hmmm, muito bom. – disse ela, após engolir o pedaço. – Em Sinnoh, a criação de Tauros é complicada por causa da neve, então raramente comemos essa carne, lá, a gente come mais carne de Magikarp e Goldeen.
  - Temos bastante disso também, mas a maioria vem de Johto. A maior produção de leite de Miltank e carne de Tauros é de lá, mas como as regiões são bem próximas, temos em abundância também. – comentou a mais velha.
  - Falem o que quiser, mas Exeggcute mexido é a melhor comida do mundo. – alegou Priscilla.
  - Essa eu vou querer experimentar. – comentou a morena, curiosa.
  E assim, o jantar passou. As três trocaram risadas e conversas, Charlotte falou das suas experiências em Sinnoh, desde sobre sua família até a escola que estudava.
  - E por falar em escola, seu pai me pediu para que te colocasse na escola. – comentou Alice, quando tocaram no assunto. – Ele não quer vê-la longe da escola. Estava pensando em te matricular na mesma escola que Priscilla, que fica em Viridian.
  - Ótima ideia, mamãe. – sorriu Priscilla.
  - Uma nova escola? - questionou Charlotte, pensativa. Nunca havia pensado na ideia de mudar de escola, porque isso nunca lhe foi necessário até hoje, mas não pode esconder que estava ansiosa e curiosa. – Parece interessante.
  - E é. Vai poder estudar comigo, com Gary e com o Red. – disse Priscilla, claramente animada. A mais nova retribuiu com um sorriso.
  - Ótimo. Irei te matricular. – anunciou Alice. – Só... Tem um pequeno problema.
  - Problema? – questionou a morena.
  - Sim, você agora terá que responder como Charlotte Chandler.
  - Chandler? Mas, e meu sobrenome?
  - Foi um pedido do seu pai. Ele disse que não poderia te explicar no momento, mas disse que é para o seu bem.
  - Veja pelo lado positivo, Charlotte, você terá o mesmo sobrenome que o meu. – começou a loira ao seu lado. – Seremos tipo da mesma família, quase irmãs. – e soltou um sorriso.
  Na verdade, Alice sabia dos motivos por trás da mudança de sobrenome, mas eram motivos que não era possível explicar para uma criança. Ela achara impressionante como Christoph cuidara de cada detalhe para não expor e nem preocupar a filha.

  “ – Preciso que Charlotte tenha o sobrenome mudado. – disse Christoph, numa chamada de vídeo com Alice. – Poderia emprestar o seu? Chamaria menos a atenção.
  - Ah, claro. Mas isso não é ilegal?
  - Eu cuido de tudo isso, não se preocupe. – alegou o homem. – O importante é que ele não encontre Charlotte, ela não tem nada haver com meus erros do passado. 
  - Isso pode soar inconveniente para você, mas... – começou a mulher. – Porque Kanto? Você disse que ele é daqui, é seguro mandar Charlotte pra cá?
  - A própria região seria o último lugar que ele procuraria. – explicou. – Ele reviraria Johto, Hoenn, Sinnoh e até mesmo Unova e Kalos, mas nunca começaria por Kanto. Até isso acontecer, terei tempo para pensar em algo.”

  Alice foi despertada de suas lembranças quando ouvir Charlotte dizer: 
  - Vou adorar usar o sobrenome Chandler e estudar em uma nova escola, vai ser uma experiência interessante.


  Era perto das 22 horas, Charlotte e Priscilla se preparavam para dormir, a menor vestiu seu pijama com estampas de Cherubi e arrumou sua cama, procurou algo em uma de suas malas vazias e encontrou o pingente de Piplup.
  - O que isso? – questionou a loira, se aproximando ao ver o artefato. Ela usava um pijama com estampa de Pikachu.  
  - É um pingente de Piplup. – disse a morena. – Eu ganhei do Johnny, meu melhor amigo. Nós trocamos objetos importantes para nós para estarmos sempre ligados.  – a voz da garota soou meio triste. A maior notou a triste, colocou a mão sobre o ombro da menina e disse:
  - Eu sei que sente falta dela, eu sei que nunca vou substituir ele, mas farei de tudo para que se sinta bem. Tanto eu, quanto Red e Gary. Conte com a gente, você nunca estará sozinha.
  Charlotte olhou para ela e sorriu. De fato, com toda a agitação e animação do dia na região, ela percebeu que nunca estaria sozinha, podia contar com os novos vizinhos e talvez família. Agora, era uma nova época que se iniciava, e com ela, uma nova vida. E ela estava muita ansiosa para desfrutar de tudo.

Secundários




CHRISTOPH VALLIÈRIE


(IMAGEM INDISPONÍVEL)


Christoph Valliérie é o pai de Charlotte e um homem de grande renome no mundo dos negócios. É um homem sério, porém protetor e dedicado. É natural da região de Kalos e se mudou cedo para Sinnoh, lá, começou sua carreira ao escrever o renomado livro de ficção MATÉRIA, que fez enorme sucesso e é reconhecido até hoje. Casado com Nagisa Cattelya, amiga de longa data do homem, os dois hoje cultivam um casamento harmonioso. É um homem de grande elegância e é sempre visto usando ternos e roupas sociais, mesmo em ocasiões informais.

Pokémon:
(Nenhum revelado até o momento)

Curiosidades:
  • Christoph é o nome do ator Chritophh Waltz (007 Contra Spectre e Django Livre).
  • Vallièrie é a adaptação do sobrenome da protagonista do anime Zero no Tsukaima, Louise de La Vallière.


NAGISA CATTELYA



(IMAGEM INDISPONÍVEL)


Nagisa Cattelya é a mãe de Charlotte. É natural de Sinnoh e quando jovem, tentou a vida de se tornar uma Pokémon Master, interrompendo a carreira para se dedicar a outras coisas. Nunca fizera nada relevante em sua vida, mas era conhecida pela sua gentileza e bom humor. Ao contrário do marido, preferia usar roupas simples, porém delicadas e elegantes. É conhecida também por ter uma saúde levemente frágil.

Pokémon:
(Nenhum revelado até o momento)
Curiosidades:
  • Nagisa é o nome da personagem protagonista de Clannad.
  • Cattelya é o nome adaptado da personagem Cattleya de La Fontaine do anime Zero no Tsukaima.


DAISY



Daisy é a empregada da casa onde Charlotte vive com seus pais. É uma pessoa dedicada em seus afazeres e está sempre acompanhada de sua Clefairy.



Pokémon:




JOHN BENNETT
(IMAGEM INDISPONÍVEL)



John Bennett, ou apenas Johnny, tem 9 anos é o melhor amigo de Charlotte em Sinnoh e estuda na mesma escola em Hearthrome que a garota. É filho de um bancário de Sinnoh e de uma coordenadora de Alola, na qual puxou a pele levemente bronzeada. Um garoto gentil, alegre e parece ter sentimentos por Charlotte, pessoa na qual desenvolveu forte confiança.
Para manterem uma ligação, os dois trocaram produtos especiais para eles, John entregou um chaveiro de Piplup para a garota e essa lhe deu a pelúcia de um Turtwig.

Curiosidades:
  • Bennett é o sobrenome do cantor Tony Bennett e a personagem de Silent Hill, Cybil Bennett
  • John inicialmente se chamaria Tommy, e seu apelido seria Tom, porém, para não coincidir com Aventuras em Sinnoh e o personagem Tom Sawyer, a autora mudou o nome.



(Informações adicionais e outros personagens serão adicionados conforme o desenvolvimento da história)

Protagonistas






 Charlotte Cattelya Vallièrie é natural da região de Sinnoh e morava com os pais na famosa Pokémon Mansion, localizada ao sul da cidade de Hearthrome. De família de classe alta, a garota sempre foi tratada como princesa pelos pais e pelos empregados da casa. 
  É uma garota delicada, gentil e muito educada, mas também, muito tímida. Mesmo com sua condição social, é extremamente humilde e não julga as pessoas pela sua classe. 
Uma das suas maiores amizades é com John Bennett, apelidado carinhosamente de Johnny.

Curiosidades:

  • Charlotte é o nome mais usado pela autora em suas histórias.
  • Cattelya é o nome adaptado da personagem Cattleya de La Fontaine do anime Zero no Tsukaima.
  • Vallièrie é a adaptação do sobrenome da protagonista do anime Zero no Tsukaima, Louise de La Vallière.


(Informações adicionais e outros personagens serão adicionados conforme o desenvolvimento da história)



POKÉMON GO!




Era uma vez uma pegadinha de 1º de Abril que se transformou no jogo mais popular do mundo...



A HISTÓRIA 

Em 2014, a Nintendo junto a Pokémon Company e a Google relevaram um trailer anunciando um jogo chamado Pokémon Challenge, onde você podia capturar Pokémon usando o celular. O trailer na verdade era uma pegadinha de 1º de Abril, mas a Pokémon Company enxergou nisso uma boa oportunidade de lançar algo revolucionário.

Trailer de Pokémon Challenge

Nessa época, a Niantic tinha lançado um jogo conhecido como Ingress, que foi o primeiro jogo de realidade do tipo onde seu objetivo era capturar portais em várias partes do mundo para criar áreas de controles para sua equipe. 


Imagem do jogo Ingress, retirado do Play Store

Foi aí que a Pokémon Company  entrou em contato com os produtores da Niantic e ofereceram a ideia e a parceria foi feita. Em 10 de Setembro de 2015 o jogo foi anunciado, em Março de 2016 a beta do jogo foi lançada para alguns países e, em 6 de Julho de 2016 o jogo foi oficialmente lançado. 


Trailer oficial de Pokémon GO


INSTALANDO O JOGO

O jogo está disponível para as plataformas Android e IOS. Nos celulares da Apple, o jogo exige no mínimo Iphone 5 ou superior, IOS 8 ou superior, conexão 3G,4G ou Wi-Fi e GPS e Serviço de Localização.
Para o Android, o jogo pede Android 4.4 ao Android 6.0.1, resolução média de 720x1280 pixels (não otimizado para tablets), conexão 3G, 4G ou Wi-Fi e GPS e serviço de localização.
Obs: Não há data para lançamento para sistemas Windows Phone ou celulares da Intel.
Com esses requisitos, vá até a Play Store(Android) e App Store(IOS) e pesquise por Pokémon GO, clique em Instalar ou Baixar e aguarde algum tempo. O jogo tem cerca de 163 MB no IOS e 60 MB no Android (De acordo com as lojas Play Store e App Store).

INICIANDO O JOGO

Após instalar e executar o jogo, você será levado a uma tela de login, onde poderá se logar por uma conta Google ou se cadastrar no Pokémon Trainer Club. Preenchendo com seus dados, é hora de começar pra valer. 
Você será recebido pelo Professor Willow que te apresentará um pouco sobre o jogo e o mundo Pokémon, o de sempre. Logo após, é hora de escolher seu sexo e customizar seu personagem, sinta-se livre para mudar cor de cabelo, olhos, pele, cores de roupa, tênis, mochila e boné. Confirme e você será levado ao mapa. 
A partir disso, você pode escolher entre os três iniciais de Kanto que aparecerão próximo de seu personagem, toque em algum deles para iniciar a captura. (Existe um truque onde você pode caminhar e ignorar os iniciais, assim, depois deles aparecerem três vezes, um Pikachu se junta a eles e você pode captura-lo).


Print: Vanessa Navegante Forin


CAPTURANDO UM POKÉMON

Print: Google

Ao tocar em um Pokémon que apareceu em seu mapa, a câmera será ativada e você poderá ver seu Pokémon no cenário que você está, sua casa, banco, restaurante, qualquer lugar. Para capturar um Pokémon é muito simples,é só mirar e arremessar a Pokéball em direção a ele, cruzar os dedos e comemorar a captura. 
Porém, se você quiser algo que te dê mais XP(experiência), é só mirar no centro do círculo que vai fechando na frente do Pokémon, quanto menor o círculo, maior seu XP. 
Você pode também trocar o tipo de Pokéball e usar itens para facilitar a captura. A cor do círculo indica a raridade do Pokémon, quanto mais vermelho, mais raro, quanto mais verde, mais comum.
O QUE É CP?

Print: Vanessa Navegante Forin

CP é literalmente Pontos de Combate(Combat Points), e é o poder de luta de seu Pokémon e é medido em números. Quanto maior o CP de seu Pokémon, maior o poder dele. E quanto maior seu nível no jogo, maior é a chance de aparecer Pokémon com CPs altos. Lembrando que para você pode subir o CP do seu Pokémon clicando em Power Up, mas isso lhe custa Stardust e Candys.

EVOLUINDO SEU POKÉMON

Print: Vanessa Navegante Forin


Diferente dos jogos tradicionais, Pokémon GO não segue a escala de evolução por níveis, e sim, por Candys. Cada Pokémon gasta um número X de Candys para evoluir.

O que é Candy? Toda vez que você captura um Pokémon, você recebe 3 candys do Pokémon daquela espécie. 

Para evoluir seu Pokémon, você captura Pokémon da mesma espécie e cadeia evolutiva e assim acumula Candys necessários para a evolução. Transferir algum Pokémon para o professor gera 1 candy a mais. Para isso, escolha o Pokémon que quer transferir, clique nos três riscos no canto inferior direito da tela e clique em Transfer.


A INTERFACE DO JOGO E OPÇÕES

Print: Vanessa Navegante Forin

A interface do jogo é simples, ao fundo temos o mapa de sua localização atual de acordo com seu GPS. Seu personagem só se movimenta com o seu andar na vida real e ao seu redor, um círculo fica se expandindo procurando Pokémons próximos. No canto superior direito temos uma espécie de bussola que ajeita a rotação do mapa. No canto inferior esquerdo temos o seu nickname e seu nível. No centro inferior da tela temos uma Pokéball que ao ser tocada, nos permite acessar mais quatro opções: Pokémon, Pokédex, Bag e Shop. E por fim, no canto inferior direito temos os Pokémon que estão próximos.


Print : Vanessa Navegante Forin

Ao clicar na imagem que contém seu personagem e nickname, você é levado aos seus status, como nível, pontos de experiência, seu time, suas moedas e medalhas, ao clicar nos três riscos do canto inferior direito, você tem a opção de costumizar seu personagem novamente.


Pint: Vanessa Navegante Forin

Na Pokéball central temos as opções de:
Pokédex: É o de sempre. Ela registra as informações de Pokémons que você viu e/ou capturou ou evoluiu.
Shop: Aqui você pode comprar com moedas Pokéball, Incense, Lucky Eggs, Lure Module e Egg Incubator, sem contar os upgrades. No começo, você não recebe nenhuma moeda no jogo, ela pode ser adquirida em ginásios ou comprando uma quantidade e pagando em dólar. Para isso, bastar rolar a tela do shop para baixo e encontrar as opções.
Bag: Aqui você guarda seus itens. A príncipio, você carrega Pokéballs, Incense (para atrair Pokemon) , Camera e Egg Incubator infinito. Itens como Revive e Potion você adquire a partir do nível 5.
Pokémon: Aqui mostra todos os Pokémon que você capturou, bem como seus CPs e nomes, você pode mudar a ordem de seus Pokémon clicando no botão A-Z no canto inferior direito e escolher a melhor opção para você. Na parte superior da tela, existe uma aba para Eggs, item que você recebe em Pokéstops, geralmente. 


Como chocar um Ovo?

Print: Vanessa Navegante Forin

Após receber um ovo, que pode ser ao passar em Pokéstops ou subindo de nível, ele vai direto para a aba de ovos da página de Pokémon. Lá, ele tem uma numeração que varia entre 2KM, 5KM e 10KM. O que isso significa? Que você deverá o tanto de quilômetros informados pelo ovo para que ele nasça. Para isso, basta clicar no ovo que deseja chocar e clique em Star Incubation, escolha a  incubadora  que tiver ou quiser e parta para a caminhada. Você só pode carregar um ovo por incubadora. A que você ganha no início do jogo tem validade infinita. Porém, as que você recebe durante o jogo se quebram após 3 ovos chocados.
Qual a diferença entre a quilometragem entre os ovos? Dependendo do seu ovo e seus quilômetros, existe a chance de nascer um Pokémon mais raro. Segue o link de quilometragem e seus possíveis Pokémon: http://www.serebii.net/pokemongo/eggs.shtml

POKESTOPS

Print: Vanessa Navegante Forin

Pokestops são pontos do mapa que ao passar por eles você recebe itens. Esses pontos geralmente ficam em lugares turísticos e específicos de uma cidade. Ao passar por um, é reproduzida uma animação no seu mapa alegando que você está próximo ou em frente ao Pokestop. 
Para utilizar de seus recursos, basta clicar no local no mapa, e abrirá uma espécie de roleta com a foto do lugar e nome, no canto superior. Bastar rodar essa roletinha com os dedos e você ganhará itens, que geralmente são Pokéballs e ovos. 
Os Pokestops só podem ser usados uma vezes a cada um certo período de tempo. Para saber se você já passou por determinado Pokéstop, veja a cor dele, se for roxa, você já utilizou, e se for azul, ainda não.


OS GINÁSIOS

A partir nível 5, você pode enfrentar ginásios que estão distribuídos por todo o mapa, e assim como os Pokestops, eles estão em pontos turísticos e/ou importantes. 
Os ginásios são dominados por treinadores reais e possuem níveis. Quanto maior o nível do ginásio maior o número de Pokémon, que no total são 6, ou seja, o nível máximo de cada ginásio é 6. Todo Pokémon deixado no ginásio não ficará mais em sua lista de a
Pokémon, a função dele é defender o gym dominado. 


TEAM VALORINSTINCT E MYSTIC

Imagem: Google

Após atingir o nível 5 no jogo, você é levado a uma tela para escolher um dos três times presentes no jogo: Valor, Instinct ou Mystic. A escola não muda em nada a gameplay no jogo, mas a escolha é importante para os ginásios já que se você encontear um ginásio dominado pela seu time, terá a opção de contribuir e defender o ginásio junto a seu colega, gerando assim, alguns prêmios.

SOBRE OS TIMES: Cada time é composto por uma filosofia diferente, liderado por um treinador e representado por uma das aves lendárias.
TEAM VALOR: O Time Valentia é destinado para aqueles que treinam duro para evoluir suas habilidades. A líder, Candela, é a mais corajosa dos três e acredita que a disciplina é a chave para o sucesso. e pesquisa maneiras de aumentar o poder natural dos Pokémon. O mascote do Team Valor é o Moltres.

TEAM INSTINCT: 
Como o próprio nome já sugere, é o time dos instintivos. O líder Spark acredita que, se o treinador confiar em seus instintos, a derrota nunca virá. O cabeça da equipe amarela estuda a intuição Pokémon, e o mascote do Team Instinct é o Zapdos.

TEAM MYSTIC: O Time Místico é exatamente o oposto do Time Instinto. Para Blanche, líder dos azuis, manter a calma e analisar tudo são as chaves para o sucesso numa batalha Pokémon. A chefe do Mystic é a mais inteligente do grupo, estuda as evoluções e se interessa por toda a ciência do mundo Pokémon. O mascote do Team Mystic é o Articuno.


LISTA DE POKÉMON

Imagem por: PokemonGOTips

Assim como nos jogos, Pokémon não aparecem em qualquer lugar, alguns se concentram em regiões específicas e possuem seu nível de raridade. Alguns até só podem ser encontrados em certos continentes. Para ajudar os treinadores, algumas pessoas estão desenvolvendo mapas em sites e aplicativos que mostram alguns Pokémon podem ser encontrados em todas as cidades.
Exemplo: http://br.ign.com/pokemon-go/34161/news/pokemon-go-aplicativo-go-map-ajuda-a-encontrar-monstrinhos-n


Pokémon por nível de raridade e região. (Créditos na imagem)


SUCESSO E REPERCUSSÃO

Uma das manchetes mais populares sobre o jogo

Desde de que foi anunciado, Pokémon GO levou os fãs da série a loucura, eles alegavam que seria a realização de um sonho de infância. Porém, isso era a ponta do iceberg apenas.
Quando lançado em outros países o jogo se tornou popular para todos os públicos, youtubers gringos gravavam suas gameplays, notícias sobre a popularidade e os efeitos do jogo estava  em todas as manchetes. Só faltava o Brasil...
O jogo chegou aqui em 3 de Agosto, e logo no primeiro dia, virou febre, pessoas de todas as idades estavam baixando o aplicativo e saindo em busca de monstrinhos de bolso. Famílias estavam se reunindo para jogar e pessoas postavam relatos sobre os benefícios do jogo para sua vida.
Mesmo com a repercussão de alguns problemas como acidente e assaltos, o jogo vêm se mostrando um remédio para algumas pessoas. Algumas manchetes retratavam crianças saindo dos leitos dos hospitais para capturar os Pokémon, pais elogiaram o aplicativo por trazer vida aos filhos com autismo. E até mesmo pessoas com depressão, síndrome do pânico e doenças parecidas relataram conseguir sair de casa por vontade própria para desfrutar do jogo, e como isso melhorou o convívio social delas.
CONCLUSÃO
Agradecer aos sites Pokémon GO BrasilSerebii e Techtudo por algumas informações. Agradecimento também ao canal do Youtube Canal Nostalgia.
E especialmente a vocês leitores por apoiarem o blog. 

BOAS CAPTURAS :)

- Copyright © 2014 Aventuras em Kanto - Escrito por Star-chan (Vanessa Navegante) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -